segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Copa do Mundo de Basquete (FIBA Naismith Trophy)

O Mundial de Basquete é também conhecido como Naismith Trophy que é o fundador do esporte. A competição só ganhou um troféu na quinta edição que foi em 1967 após uma doação que serviu para confeccioná-la. O belo troféu foi aposentado em 1998, quando com as mesmas característica o substituiu e hoje fica exposta no museu do basquete na capital da Espanha. 

Este novo troféu é um pouco maior que o anterior. A peça simboliza uma flor de lótus. Na parte central existem cinco pedras que simbolizam os continentes: ônis (preto), citrino (amarelo), chyrsopase (verde), granada (vermelho) e topázio (azul). 

O lindo troféu mede 47cm e pesa 9kg. O troféu é de prata e a parte de dentro é banhada em ouro. A base quadrangular é de mármore e em cada parte dela existe a gravação com o nome do inventor do basquete: Naismith. O detalhe é que em cada parte da base que mede 20x20 está gravado em uma língua diferente: latim, egípcio, árabe e chinês.

 2014 Estados Unidos

2010 Estados Unidos

2006 Espanha

2002 Iugoslávia

1998 Iugoslávia

1994 Estados Unidos

1990 Iugoslávia

1986 Estados Unidos

1982 União Soviética

1978 Iugoslávia

1974 União Soviêtica

1970 Iugoslávia

1967 União Soviética

1963 Brasil

1959 Brasil

1954 Estados Unidos

1950 Argentina

Um comentário:

  1. O mais recente título mundial do Brasil no basquete masculino foi em 1963, antes havia sido campeão do mundo em 1959. Faço este comentário em setembro de 2016, logo estes dois títulos não são mais tão recentes assim.
    A última grande campanha do Brasil foi o 3º lugar em 1978, de lá pra cá ainda teve o 4º lugar em 1986 e o 6º lugar em 2014. E as mulheres? O primeiro e até o momento único título mundial foi em 1994. Depois disso, dois quartos lugares (1998 e 2006) e um 11º lugar em 2014.
    O basquetebol brasileiro poderia e deveria fazer muito mais e não se contentar ou se dar por satisfeito fazendo campanhas modestas em Mundiais e Jogos Olímpicos. Sim, a medalha de ouro dos Jogos Pan-Americanos, na Copa América ou no Sul-Americano tem o seu valor mas é pouco se comparada as conquistas das competições maiores.
    Não estou dizendo que o Brasil tem que ganhar tudo (nem os EUA ganham todos os títulos que disputam, tanto no masculino quanto no feminino raramente se tem notícia de uma derrota dos americanos no basquete, é raro mas acontece, com certeza derrotar os norte-americanos no basquete é muito difícil, mas não é impossível).
    Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro a trajetória das duas seleções brasileiras de basquete foi lamentável (talvez até pior que a goleada de 7 a 1 da Alemanha sobre o Brasil na Copa do Mundo de 2014): O Brasil não conseguiu passar nem da fase de grupos: não adiantou nada os homens suarem sangue para ganhar da Espanha, nadar e morrer na praia contra a Argentina nem derrotar a Nigéria no último jogo. Já as mulheres fizeram pior: pela primeira vez em sete participações olímpicas não venceram nenhum jogo: "zeraram". O desempenho pífio em 2016 não é para ser esquecido, mas sim para se refletir, por que o Brasil de 2006 pra cá está indo de mal a pior? Não trabalho na Confederação Brasileira de Basquetebol (e nem acho que tenho competência para isso) mas alguma coisa deveria ser feita para melhorar essa situação. O basquetebol brasileiro tem que voltar ao seu lugar de direito e se não conquistarem títulos que ao menos façam campanhas decentes e belisquem medalhas e pódios nos próximos Mundiais e Jogos Olímpicos. É preciso que os jogadores sintam orgulho de vestir a camisa do Brasil e de representar nosso país seja em solo brasileiro ou estrangeiro.

    ResponderExcluir

Curta o nosso FACEBOOK pelo link:
https://www.facebook.com/trofeusdofutebol

Deixe aqui seu comentário sobre essa matéria.

Idiomas / Language

=============

CONTADOR DE PAÍSES (desde out/2017)

Flag Counter